FOLHA DE PARINTINS Jornalismo Livre, Presente e Atuante

nailha
03/07/2017 às 02:09 h

Caprichoso fecha Festival exaltando arte cabocla

Foto: Domingos Raposo.
Foto: Domingos Raposo.

Roger Matos - FOLHA DE PARINTINS

O Boi Caprichoso encerrou a terceira e última noite do 52º Festival Folclórico de Parintins, exaltando o dom do caboclo para a criação e a arte.

O calafate, artesão naval, foi exaltado como Figura Típica Regional em alegoria de Ney Meireles. Barcos da Francesa e a Catedral compuseram o cenário, ornado por uma gigantesca imagem de Nossa Senhora do Carmo no céu do Bumbódromo.

A emoção tomou conta da arena com o momento de devoção à Padroeira de Parintins. Emblema da fé parintinense, a Catedral revelou um coral de vozes e a bênção de Nossa Senhora do Carmo, reverenciada de joelhos pela Marujada de Guerra. Aberta, a Catedral mostrou as origens do Festival Folclórico e o altar trouxe Valentina Cid, Sinhazinha da Fazenda, antes simbolizando a santa.

Um diamante guarnecido por um boi de fitas evoluindo no céu revelou o Boi Caprichoso. A Porta Estandarte Marcela Marialva surgiu de um balão festivo.

Tribos, tuxauas e o Pajé Netto Simões compuseram o momento tribal na arena. Conori reuniu três gerações de cunhãs azuladas: Daniela Assayag e Jeane Benoliel receberam a Cunhã Poranga Marciele Albuquerque.

Os tesouros da Cabanagem foram representados na lenda amazônica de Carivardo, Nonoca e equipe. Um escorpião dourado se transmutou na Rainha do Folclore Brena Dianná.

A transcendência Tariana foi representada no ritual indígena de Ozéas Bentes, trazendo ao ápice do espetáculo o Pajé Netto Simões.


Nas melhoras baladas