FOLHA DE PARINTINS Jornalismo Livre, Presente e Atuante

pavulagem
28/08/2018 às 00:23 h

Garantido: a ferida não cicatrizou... e segue aberta

Sem impactar disputa nos bastidores, Garantido é cobrado pela galera

2009: David Assayag assina com Caprichoso. Garantido especula retorno mais uma vez, sem sucesso.
2009: David Assayag assina com Caprichoso. Garantido especula retorno mais uma vez, sem sucesso.

O período pós-Festival de Parintins tem envolvido as galeras de Caprichoso e Garantido em acaloradas discussões acerca das manobras estratégicas que as cúpulas dos bumbás vêm realizando para fortalecer a competitividade na arena do Bumbódromo.

Atual bicampeão da disputa folclórica, o boi Caprichoso adotou uma postura que acirra a rivalidade, mas não tem encontrado no seu ‘contrário’ a mesma disposição de manter acesa essa chama. Limitando-se a um retorno ‘mais pávulo do que nunca’ publicado em sua rede social, o boi Garantido não tem munido sua galera para os embates diários que ocorrem desde que o rival anunciou seu tema para 2019 e surpreendeu o meio bovino com a apresentação de Emerson Maia como compositor do time azul. O duplo impacto atordoou o bumbá da Baixa de São José e seus torcedores, sentados ao pé da roseira, esperavam ansiosos uma atitude da diretoria do Garantido. Alternando emoções extremas, todo mundo está chorando e cobrando nas redes sociais. Era o fim da pura harmonia.

Curiosamente, a origem da ingrata surpresa à galera encarnada – a fuga do Caprichoso – revelara, também, o alvo do que seria o troco na mesma moeda. Horas depois de ser Amo no emblemático evento azul, o compositor Adriano Aguiar assinaria com o Garantido e o bumbá esboçaria artilharia de mesmo calibre no contra-ataque de bastidores. O impacto, ainda que significativo, pouco abalou a confiança azul no tricampeonato do Festival. Estrela que veio pra iluminar a aldeia, Paulinho Du Sagrado sela retorno ao azul e sepulta qualquer pretensão do Garantido ao protagonismo do troca-troca de compositores.

Por falar em protagonista, eis o lugar no qual a figura do compositor jamais foi vista com tamanha importância em festival algum – exceto pelo contexto musical exaltado quase que exclusivamente pelos torcedores ‘consumidores’ de toadas. Lá e cá nos bumbás, os poetas caboclos alternam ecos de insatisfação com pontuais descasos que envolvem suas composições, que vão dos direitos autorais a supostos favorecimentos na seleção das trilhas sonoras comercial – o CD e o DVD – e de arena. Um protagonismo inglório.

O livre trânsito de compositores entre os bumbás é notoriamente motivado pela mais polêmica mudança de ares que a rivalidade presenciou: a ida de David Assayag para o boi Caprichoso, que completará nove anos no próximo mês de setembro.

Para a FOLHA, o fato que marcou o meio bovino em 16 de setembro de 2009 foi algo que, em teor e impacto, o Caprichoso não fez melhor e o Garantido não superou. Constata-se que a ferida deixada no item 2 rubro não cicatrizou. E continua aberta.

A lacuna deixada por David Assayag parecia preenchida por Sebastião Júnior. Ídolo construído longe da unanimidade, Sabá alterna resultados em meio à instabilidade do Bloco Musical, preterido ano após ano pelas investidas sobre o adversário no item 2. O Amo, Tony Medeiros, cutuca David com versos que o rotulam como ‘traíra’ no intencional inflame de sua galera. Alheio a isso, Israel Paulain é o único que destoa do cenário para enfrentar seus próprios dilemas: as críticas sobre o declínio de seu desempenho diante de um oponente em franca ascensão – Edmundo Oran. Faltaria clima para o retorno de David ao Garantido? Isso parece ser a última preocupação do Garantido, sempre que ventila o nome do levantador de toadas do Caprichoso. E mais uma pretensão ao protagonismo cai por terra com a renovação de David por quatro anos e a despedida de Paulinho Du Sagrado rumo ao azul.

Nas melhoras baladas