FOLHA DE PARINTINS Jornalismo Livre, Presente e Atuante

nailha
09/08/2019 às 19:00 h

Três roubos a igrejas de Parintins em poucos dias

Catedral de Nossa Senhora do Carmo foi alvo de criminosos nesta sexta (9)

Fotos: Liam Cavalcante/Alvorada.
Fotos: Liam Cavalcante/Alvorada.

Publicado em 09/08/2019, às 19h00. Atualizado em 10/08/2019, às 13h10.

Maior edificação católica do Amazonas, a Catedral Nossa Senhora do Carmo foi alvo da ação criminosa de vândalos na tarde desta sexta-feira (9). A ação ocorreu no horário de almoço, quando o templo estava fechado. No retorno ao local, os funcionários se depararam com o ocorrido. 

Cofres do ofertório foram arrombados, mas segundo o pároco, padre Dorival Nascimento, estavam vazios. “Não houve êxito ao arrombarem os cofres, pois nada tinha neles. Toda a oferta já havia sido retirada”, disse o sacerdote.


Além dos cofres, o Sacrário – lugar onde são guardadas as partículas consagradas (hóstias) utilizadas nas celebrações – também foi vandalizado. Feito em metal com detalhes dourados, o Sacrário chamou a atenção dos criminosos, que utilizaram uma barra de ferro para violá-lo. O objeto foi encontrado no local.

No interior do Sacrário, havia uma âmbula de metal (cálice de metal dourado com tampa), sem valor econômico, que foi levada. O prejuízo com os danos ao Sacrário ainda não foi calculado. Na manhã deste sábado (10), o objeto foi encontrado e devolvido à Catedral. A informação foi publicada no perfil da paróquia numa rede social. 


Esse foi o terceiro crime contra templos católicos da Ilha em menos de um mês. Há poucos dias, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus foi invadida e, há duas semanas, a Igreja de Nossa Senhora de Lourdes teve três cofres de ofertas violados e valores não calculados levados. Neste caso, os criminosos provavelmente conheciam a rotina da paróquia, segundo o pároco Pe. Paulo Dilelo. “Foram com a intenção de somente roubar o dinheiro da oferta, pois tinham outros pertences de valor, mas só os cofres foram roubados”, disse.

Alvo recorrente – Localizada no Centro do Parintins, a Catedral já foi alvo de vandalismos de menor poder ofensivo a crimes de roubo. Atos obscenos e atentados ao pudor foram inibidos com campanhas educativas.

A FOLHA pesquisou o histórico de roubos a igrejas no município e descobriu duas ocorrências anteriores que atentaram contra o templo da Padroeira – ambos ocorridos em 2016, inclusive um desses na Semana Santa. A alternativa encontrada pela Diocese de Parintins foi a instalação de grades e reforço na estrutura de segurança do patrimônio.

Casos recentes – Os crimes contra templos católicos se tornaram frequentes nos últimos anos em Parintins. A população, predominantemente católica, vê com preocupação o aumento dos casos. A FOLHA apurou alguns casos recentes, marcados por desrespeito às imagens sacras e fiéis, além de prejuízos ao patrimônio das paróquias.

Em 2016, as igrejas de Nossa Senhora Auxiliadora, no bairro Pascoal Alaggio, e São Benedito, a mais antiga do município, foram saqueadas. Entre imagens sacras destruídas e patrimônio roubado, o prejuízo ficou em cerca de R$ 15 mil.

Em 2018, vândalos invadiram a capela de Nossa Senhora Aparecida, localizada no bairro Paulo Corrêa, destruíram todo o mobiliário e cometeram o sacrilégio de arrancar a cabeça da imagem da Padroeira da área missionária, pertencente à paróquia de São Sebastião.

Nas melhoras baladas